Óleo de krill e envelhecimento cerebral

Óleo de krill e envelhecimento cerebral
30/11/2018

O envelhecimento é caracterizado pelo declínio das funções orgânicas, que ocasiona diversas modificações em todo o organismo e redução da capacidade funcional. No processo de envelhecimento, a estrutura do cérebro sofre alterações, como diminuição de seu tamanho, do número de neurônios e da velocidade de condução nervosa. Junto com o processo fisiológico, ocorrem aumento do estresse oxidativo, alterações no metabolismo energético, além de perda de memória e cognição.

Dentre os fatores responsáveis por essas alterações está a redução dos níveis do ácido docosa-hexaenoico (DHA), principal ácido graxo encontrado no cérebro, e do ácido eicosapentaenoico (EPA), relacionado com o funcionamento cerebral e os transtornos de humor. Portanto, o consumo de EPA e DHA é de extrema importância para o funcionamento cerebral.

O óleo de krill é uma alternativa de consumo de EPA e DHA, por se tratar de uma fonte rica desses ácidos graxos. Além disso, como o EPA e o DHA se encontram ligados a fosfolípides, e não a triglicérides, como ocorre com o óleo de peixe, isso permite que os ácidos graxos sejam absorvidos e incorporados aos tecidos mais facilmente.

 

Referências bibliográficas

  1. Dyall SC. Long-chain omega-3 fatty acids and the brain: a review of the independent and shared effects of EPA, DPA and DHA. Front Aging Neurosci. 2015 Apr 21;7:52.
  2. Kayser CGR, Krepsky LH, Oliveira MR, et al. Benefícios da ingestão de ômega-3 e a prevenção de doenças crônico-degenerativas – revisão sistemática. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2010 Mai-Jun;4(21):137-46.
COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS