A importância de conhecer o perfil do paciente

A importância de conhecer o perfil do paciente
07/06/2021

Como aumentar a adesão ao tratamento prescrito?
Conhecendo o perfil de seus pacientes

Conhecer bem os pacientes demanda tempo e dedicação, mas é essencial para oferecer o melhor tratamento e fazê-lo daforma mais empática possível. Aos jovens médicos, um conselho: para obter êxito na profissão, é importante ter real interesse pelo bem-estar dos pacientes, sensibilidade para questões sociais e clareza na comunicação.

São diversas as variáveis que devemos avaliar na hora de atender cada paciente individualmente, desde o perfil comportamental até a situação familiar e socioeconômica. Todos esses fatores influenciam na adesão ao tratamento e, consequentemente, na eficácia do trabalho desempenhado pelo médico.

 

A prescrição dos medicamentos deve estar dentro da realidade de cada paciente

A variável renda torna-se de extrema importância no processo de adesão ao tratamento, tendo em vista que muitas vezes o paciente não consegue obter o medicamento no serviço público e acaba não efetivando a terapêutica devido às dificuldades financeiras e ao alto custo de certas medicações. Procure saber que alternativas existem para facilitar o seguimento da prescrição.

 

Saiba avaliar o valor de cada prescrição

Pondere o valor da prescrição e verifique se o tratamento é plausível para a realidade financeira do paciente. Por isso, é necessário adequar a prescrição de forma individualizada para cada pessoa que adentra seu consultório.

 

Perfis comportamentais clássicos de pacientes

De acordo com as especialidades médicas, o perfil do paciente tende a mudar. Independentemente da área de atuação médica, existem alguns perfis preestabelecidos e mais frequentes de pacientes com os quais se deve ter atenção especial na forma de abordagem durante a consulta.

 

1 – Paciente fragilizado  

É aquele que recebeu um diagnóstico há pouco tempo e está enfrentando dificuldades para lidar com uma condição nova, o que pode levar à negação do fato ou à revolta com a situação. Nesse caso, é essencial que nós, como profissionais, tenhamos ainda mais paciência e compreensão.

Caso o indivíduo esteja com dor ou abalado por causa de um diagnóstico difícil, demonstrar empatia e reassegurar seu compromisso com a qualidade de vida do paciente são atitudes que podem ajudar.

 

2 – Paciente autodiagnosticado ou hipocondríaco 

Pode também ser conhecido como o tipo de paciente “expert“. É aquele indivíduo que já pesquisou na internet sobre os sintomas e possíveis diagnósticos. Esse é o perfil que mais tende a crescer, devido ao grande acesso às tecnologias por parte da população.

Como médicos, devemos procurar ouvir o que esse paciente tem a dizer, explicar o porquê de não realizar o autodiagnóstico e/ou a automedicação, além de esclarecer e/ou corrigir as informações que essa pessoa pesquisou e a levaram até o consultório.

 

3 – Paciente exigente

Exigente ou questionador, esse tipo de paciente fala sobre todos os aspectos que o levaram até o consultório e espera um atendimento de excelência não só do médico mas também de todos os profissionais que atuam na clínica ou no consultório. Geralmente é alguém que já foi mal atendido e tem queixas prévias.

Uma dica para obter êxito ao lidar com esse indivíduo é ter paciência e ser bastante claro e objetivo na hora de responder aos questionamentos, diagnosticar e prescrever o tratamento. Encarar suas demandas com seriedade é ponto crucial para o paciente mais exigente.

 

4 – Paciente relapso

É aquele que não cumpre o tratamento da forma adequada, fato que é preocupante. Na consulta de retorno, é possível que esse paciente provavelmente não tenha obtido resultado com o tratamento.

Ao nos depararmos com esses casos, a saída é procurar entender a motivação do indivíduo para não seguir o que foi prescrito e adotar estratégias para melhorar a adesão terapêutica, como detalhar a prescrição ou pedir para que na próxima consulta o paciente vá acompanhado de alguém que possa servir de apoio para que o tratamento se realize da forma desejada.

 

Maior adesão ao tratamento = maior satisfação do paciente


Conhecer bem o perfil de seus pacientes ajuda a ter uma alta taxa de satisfação em relação ao seu trabalho e, consequentemente, maior índice de fidelização. E, como já abordado previamente aqui no Biolab Studio, fidelizar pacientes é importante para o tratamento e para construir uma carreira médica de sucesso.

 

Fonte:

https://clinicanasnuvens.com.br/blog/do-fragilizado-ao-auto-diagnosticado-os-perfis-de-pacientes-na-clinica-e-como-lidar-com-eles/
https://blog.xdoctor.com.br/tipos-de-pacientes/
https://www.sanarmed.com/10-questoes-para-considerar-antes-de-escolher-a-sua-residencia-medica

 

Palavras-chave:
Paciente, adesão ao tratamento

COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS